sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Por ti, fervoroso
























E contigo Lua bailo
Rodopio devagar
Até sentir teu luar
A incidir sobre mim
Dão-me ganas de frenesim
Que com ternura contenho
Até ceder à volúpia
Logo teus raios me devassam
Sinto que me trespassam
Me afogam
Me inebriam
Deixo-me então desfalecer
Olhando-te amoroso
Com o coração a bater
Por ti
Fervoroso.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Não sou todo de mim


























Sou de quem de mim depende

Dos meus pais que quero apadrinhar até que a sua vida se esvaia

Dos meus descendentes que em mim regularmente se acocoram

Que nunca me deram desgostos

Que são a luz dos meus olhos

Que não diferencio mesmo tendo sido paridos por diferentes mães

Sou de quem gosto

Sou dos meus amigos a quem a vida não permite dedicar o tempo que merecem

Sou de quem amo

Sou até de quem não gosta de mim

Porque não lhes saio da lembrança

O bocadinho que me resta

Só é meu

Porque gosto de mim como sou

Se assim não fosse

Já não era.



quinta-feira, 15 de outubro de 2009

É no mínimo ambíguo!


É no mínimo ambíguo que se queira acabar com os animais no circo permitindo o espectáculo degradante das touradas.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

É bom viver, e morrer, em Portugal.

José Gomes Macedo, emigrante português em França, foi encontrado morto sentado numa poltrona no apartamento onde vivia.
Um iogurte encontrado no frigorífico era datado de 2007, os vizinhos do prédio há muito reclamavam o mau cheiro.
O seu desaparecimento já tinha sido comunicado às autoridades que nunca se lembraram de o procurar na casa onde vivia.
E ainda há em Portugal quem se queixe da vizinhança, e da PJ.




Hoje há alguns enfastiados em Mondim de Basto



O alegado assassino de Maximino Clemente, António Cunha (foto da esquerda) continua a ser ouvido no tribunal de Mondim de Basto.
Ficar-se-á o Cunha pelos factos (do passado Domingo) porque foi detido, ou irá "abrir o livro"?
A tragédia do passado fim de semana foi o fim, há muito anunciado, das quezílias entre Cunha e Maximino que duravam há 30 anos, agravadas pela (segundo o Povo) má gestão (por parte de António Cunha) dos baldios de Ermelo.
A população de Ermelo acusa António Cunha de ter roubado muitos milhares de contos do património da freguesia.
Dizia-se em Mondim de Basto que António cunha, enquanto presidente da junta de Freguesia de Ermelo e responsável pela gestão dos baldios, era unha e carne com Pinto Moura (foto da direita) presidente cessante da autarquia mondinense e outros ditos grandes da terra.
António Cunha chegou a ser detido pelo assassinado Maximino Clemente quando este ainda se encontrava ao serviço (GNR), tendo-me confidenciado que o Maximino lhe dera uns sopapos dentro do posto.
António Cunha tinha contra ele vários processos-crime que foi conseguindo adiar até cair em desgraça, ou seja, até ser abandonado pelos poderosos.
Agora que não tem nada a perder, António Cunha irá "pôr a boca no trombone"?
Creio que esta minha duvida também passará pela cabeça de alguns de Mondim de Basto, daí eu dizer que deve haver hoje alguma gente com falta de apetite por lá.

Jan Ficher - Durão Barroso

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Um, dois, três.

Marinho Pinto volta a desmarcarar os juizes, grande homem!

Manuela Ferreira Leite não se recandidata, prepara-te Paulinho.

Mais uma colher, senão levas tau tau.

O QUE SERÁ DE MIM?

artista de circo


A dieta do senhor Presidente


quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Os chineses sabem-na toda!

Quando vamos a um restaurante ou loja chineses só vemos chinesas feiosas e mal feitas, pelos vistos as engraçadas têm de ir prá tropa.