quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

CAUSTICIDADE?


No dia em que Joseph Alois abdica do cargo de patrão da igreja de Roma sou levado a pensar que nem um ex-nazi consegue endireitar aquilo.
Já no tempo em que andava de volta das batinas dos padres e das freiras me apercebi que algo não estava bem numa instituição que prometia o céu de forma igual para ricos e pobres, quando os padres (sempre os mais novos) demonstravam veemência na defesa dos mais desprotegidos, eram transferidos para paróquias com menos devotos (sobretudo no meio rural), e quem os substituía prestava muito mais atenção às senhoras e senhores que ocupavam as primeiras filas (junto ao altar) durante as celebrações.
Nunca mais esqueço a transferência do Padre Coelho (da Igreja dos Grilos/Porto) para longe, gerou um verdadeiro levantamento popular (e o 25 de Abril de 1974 ainda vinha muito longe) com manifestações e tudo, a polícia agrediu pessoas e ocupou o centro social que funcionava junto à igreja acima referida, e do padre, nunca mais ouvi falar. Mantenho na retina a figura de um sacerdote (ainda jovem) que tentou fazer frente às forças policiais em defesa do Povo da Sé, faleceu a 29 de Setembro de 2010, chamava-se Armindo Lopes Coelho, chegou a Bispo do Porto, deixou-me saudades porque recordo muitas vezes vê-lo vir do seminário maior em direção à catedral, apanhar a batina, dar um nó à cintura e jogar à bola connosco.
A igreja de Roma é romana por usurpação, não passa de mais uma conquista de uma tropa, a mais forte da época, e julgo que é aí que reside o busílis da questão.
A Igreja Católica Apostólica Romana começa por “vender” aos seus acólitos uma falsa imagem de Jesus Cristo que, nascido na Palestina, nunca poderia ter o aspeto árico que permanece em imagens e gravuras, voltamos à ideologia nazi, porquê? Porque é que em séculos nunca se tentou emendar os embustes que saltam à vista mesmo dos menos informados?
Talvez um dia apareça um sumo pontífice que venda todo o património, distribua o dinheiro pelos pobres, e se mude para a Palestina vivendo da caridade humana.
Para terminar, eu apostaria na eleição de um Papa preto, afinal o Vaticano está em crise, a América também estava.

1 comentário:

Jose Martins disse...

Magnífico! Transcrevi duas peças suas http://aquitailandia.blogspot.com
Saudações da Tailândia - José Martins